O que é e-commerce?

Com a evolução da Internet ganhamos novas possibilidades para conversar, se divertir e até mesmo comprar. Essa nova era criou novos espaços e termos que cada vez mais se adaptam ao nosso dia-a-dia. Fazer uma compra online é saber que, provavelmente, você está logado em um e-commerce ou marketplace, mas você sabe o que é isso significa? Quais as possibilidades? Como ter o seu próprio espaço de venda? Confira um artigo completo sobre o assunto e suas variáveis.

Qual o significado de e-commerce?

E-commerce é a abreviação de electronic commerce ou comércio eletrônico em português.

O que é e-commerce?

O e-commerce é um tipo de comércio realizado em uma plataforma online onde um indivíduo busca seu produto ou serviço e adquire através de meios de pagamento como cartões de crédito, boleto ou depósito e recebe tudo em casa.

O investimento para você ter um e-commerce é diferente daquele para a operação de uma loja física. Você não terá que investir em ponto comercial e em vários sistemas que são específicos para o mundo físico. Considere, porém, que você precisará de uma boa plataforma de e-commerce, marketing on-line e em gestão do relacionamento virtual com o seu cliente para conseguir obter bons resultados.

Através do e-commerce você tem uma vitrine personalizada e aberta 24 horas por dia, 7 dias da semana para ampliar as vendas e o faturamento da sua marca.

E-business

Muitas pessoas podem confundir o conceito de e-commerce com o de electronic business que apesar de parecerem iguais, têm significados diferentes.

E-business (negócio eletrônico) é todo negócio que oferece um produto ou serviço de maneira integralmente digital ou online, mas sem necessariamente envolver uma transação comercial.

Um ótimo exemplo é o Google que oferece ferramentas gratuitas como o Gmail onde você se cadastra, se comunica com o cliente e faz a utilização do serviço totalmente pela Internet.

B2B, B2C e C2C: as três formas de e-commerce

O B2B, abreviação para Business to Business, é a modalidade onde o produto ou serviço é oferecido de uma empresa para outra empresa. Um dos maiores exemplos dessa modalidade no Brasil é o ‘Moda na Web’, empresa atacadista que comercializa camisetas, jeans, lingerie e outras peças para lojistas.

Segundo uma pesquisa feita em 2017 pela Frost & Sullivan, empresa de consultoria de negócios envolvida em pesquisa e análise de mercado, o B2B terá um crescimento mundial de no mínimo US$ 6,7 trilhões até 2020.

O B2C ou Business to Consumer, (em português, “empresa para consumidor”), é o comércio direto entre uma marca e seu cliente final. No Brasil existem diversos exemplos de B2C sólidos e que estão crescendo cada vez mais no mercado, chegando a abrir a plataforma para o público internacional. A Magazine Luiza e o Carrefour são ótimos exemplos para observar como funciona essa modalidade.

A Frost & Sullivan apontou também que haverá um crescimento global para esse setor, mas que será inferior ao B2B tendo um resultado de US$ 3,2 trilhões até o ano que vem.

C2C, ou Consumer to Consumer (em português “consumidor para consumidor”) é a prática onde um consumidor vende um produto para outro através de um cadastro em sites específicos, os famosos Marketplaces.

Marketplace

Um dos braços do e-commerce, o marketplace (C2C) permite que pessoas ou empresas que não possuam um site ou e-commerce próprio possam vender seus produtos usando a plataforma.

Alguns dos maiores exemplos que temos no Brasil são o Mercado Livre, OLX e Elo7, onde você pode cadastrar e vender seus produtos usando essas plataformas.

A história

Relativamente novo, o primeiro e-commerce surgiu em 1996.

Um nome essencial na história do e-commerce é a Amazon, fundada pelo americano Jeff Bezos, que em sua garagem resolveu criar uma página onde pudesse vender livros pela Internet. Hoje, essa loja é uns dos gigantes da internet com mais de 20 milhões de produtos e com envio para diversas partes do mundo.

No Brasil, ele chegou através de Jack London, que após uma visita à sede da Amazon iniciou a primeira loja online em terras brasileiras em 1995, a Booknet. A pioneira brasileira foi comprada anos depois, desativada e repaginada dando início ao Submarino, que junto da Americanas.com se tornaram importantes players neste segmento.

Após o sucesso dessas empresas, surgem seus primeiros concorrentes, Ebay nos Estados Unidos e Mercado Livre no Brasil.

Vale lembrar que diversos outros sites como Magazine Luiza, Casas Bahia, Carrefour entre outros, se destacam com um crescimento contínuo mostrando a importância das lojas onlines para o atual consumidor brasileiro.

O mercado hoje

Pesquisa da Associação Brasileira de Comércio aponta que o faturamento em vendas de produtos eletrônicos pela Internet deve atingir R$79,9 bilhões de reais em 2019 tendo um tíquete médio de R$301 por consumidor num total de 265 milhões de pedidos efetuados. Estima-se que a venda online de eletrônicos pelo mundo aproxima-se de US$1 trilhão por ano em todo planeta.

Até janeiro de 2019 a associação registrou 87 mil lojas virtuais e o crescimento de microempresas na participação do faturamento que chega à 29%.

O mercado brasileiro de e-commerce, já tem hoje 33% das compras sendo feitas através de dispositivos móveis, e com isso é possível observar uma oportunidade de atingir um público que a cada ano deixa os desktops de lado e migram para smartphones e tablets.

A era digital tem revolucionado o varejo brasileiro e o e-commerce é o melhor exemplo de como é possível acompanhar o novo modo de compra e se aproximar do consumidor, criando um novo canal de vendas.

Ainda em dúvida sobre o que é um e-commerce, ou como montar sua loja virtual ou marketplace? Entre em contato com a Elocc. Nosso time de especialistas está pronto para te ajudar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *